Placas tectônicas, a grande descoberta que permitiu responder intrigantes mistérios da natureza

Dan McKenzie: os jovens cientistas dos anos 1960 buscaram respostas para perguntas que intrigavam as gerações anteriores

O que você colocaria na lista das maiores descobertas científicas do século 20? Teoria da Relatividade Geral? Mecânica Quântica? Alguma coisa na área da genética, talvez?  Algo que definitivamente deveria estar entre as menções de todos é a descoberta das placas tectônicas – a descrição de como a “capa” externa rígida do nosso planeta (litosfera) se move e recicla.  Essa teoria celebra seu 50º aniversário neste ano, e algumas das pessoas que foram essenciais para criá-la estão em Londres para comemorar a data em uma conferência especial na The Geological Society (Sociedade Geológica de Londres).  As melhores ideias da ciência não são apenas simplesmente brilhantes – elas também têm um poder extraordinário para responder muitas questões da natureza. E as placas tectônicas são um excelente exemplo disso. Elas nos explicam por que os Himalaias são tão altos; por que o México sofre tanto com terremotos; por que a Austrália desenvolveu um grupo diverso de marsupiais; por que a Antártica teve um congelamento profundo.. Mas quando você está no interior da bolha, tentando juntar todos os pedaços de prova em uma narrativa coerente, a solução parece muito longe do óbvio.  Artigo “O Pacífico Norte: Um Exemplo de Placas Tectônicas em uma Esfera” foi publicado na Nature em 1967  “Nós não tínhamos ideia sobre qual era a causa dos terremotos e vulcões ou sobre qualquer coisa assim”, lembra Dan McKenzie, um dos pioneiros nos estudos e descobertas sobre as placas tectônicas.  McKenzie é lembrado hoje como um dos arquitetos da teoria moderna das placas tectônicas.  Em 1967, ele publicou um artigo na revista científica Nature chamado “O Pacífico Norte: Um Exemplo de Placas Tectônicas em uma Esfera”, ao lado de Robert Parker, outro estudante da Universidade de Cambridge, no Reino Unido, à época. Esse material desencadeou uma série de descobertas sobre como o chão do oceano naquela parte do planeta era capaz de se mover mais ou menos como uma pedra de pavimento curva, propiciando a formação de terremotos nas partes onde ele interagia com outras placas sólidas de rocha que cobriam a Terra. Apesar de ser visto como um ponto de inflexão nas descobertas científicas sobre esse assunto, tratou-se apenas de uma parte de um longo período de pesquisas, que envolveu cientistas bastante comprometidos mergulhando no tema entre  1966 e 1968. fonte: bbc.com

 




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *