Conselho da Vale aumentou cautela após incidente da Samarco, diz CFO

Após rompimento de barragem em MG, existe preocupação dos conselheiros da empresa com relação a assuntos que tragam mínimo de risco, segundo Luciano Sian

São Paulo – O rompimento no final de 2015 de uma barragem da Samarco, empresa na qual a Vale é sócia junto à anglo-australiana BHP Billiton, elevou muito o nível de cautela em análises do Conselho de Administração da mineradora brasileira, disse nesta quarta-feira o diretor financeiro da companhia, Luciano Siani.

Ele comentou ainda, durante um evento em São Paulo, que vê a postura como uma tendência nas empresas brasileiras em geral, após a descoberta de um enorme escândalo de corrupção no país por autoridades na chamada Operação Lava Jato, iniciada ainda em 2014.

São Paulo – O rompimento no final de 2015 de uma barragem da Samarco, empresa na qual a Vale é sócia junto à anglo-australiana BHP Billiton, elevou muito o nível de cautela em análises do Conselho de Administração da mineradora brasileira, disse nesta quarta-feira o diretor financeiro da companhia, Luciano Siani.

Ele comentou ainda, durante um evento em São Paulo, que vê a postura como uma tendência nas empresas brasileiras em geral, após a descoberta de um enorme escândalo de corrupção no país por autoridades na chamada Operação Lava Jato, iniciada ainda em 2014.

contra seu patrimônio pessoal, devido à severa legislação de muitos países, como os Estados Unidos e o próprio Brasil.

“Existe um tempo desproporcional dos executivos discutindo coisas relativas a compliance e risco em relação à discussão de coisas do negócio”, afirmou.

“Nós estamos em um momento em que governança, compliance, até porque os negócios estão indo bem, estão com um peso maior até do que a estratégia, esse é o momento que estamos vivendo hoje”, adicionou, referindo-se ao caso específico da Vale. Fonte: Exame

 




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *